20 Jan 2017

Marco para o desenvolvimento da horticultura africana

A empresa de melhoramento de hortaliças Rijk Zwaan introduziu suas primeiras variedades híbridas para berinjela africana. Estes têm inúmeras vantagens sobre variedades que são tradicionalmente cultivadas na África e permitirá que os agricultores gerarem uma melhor renda para si. Rijk Zwaan passou quase 10 anos trabalhando no desenvolvimento destas variedades e está vendendo agora as primeiras sementes em uma base comercial.

Variedades híbridas

Typical African vegetables – like African eggplant and African kale  are traditionally cultivated from saved seed or from open pollinated varieties (OPVs). Hybrid varieties are characterised by higher yields, uniformity, earliness and other favourable features needed further down in the market chain, such as firmness, shelf life and taste. They also bring improved resistances to pests and diseases, which means that fewer pesticides have to be used and available farmland can be utilised more effectively. In general, vegetables are the most efficient means to fight micronutrient deficiencies and offer smallholders good opportunities to start a business. 

Os tradicionais vegetais africanos - como a berinjela africana e a couve africana são cultivados tradicionalmente da semente conservada ou das variedades polinizadas abertas (OPVs). As variedades híbridas são caracterizadas por maiores rendimentos, uniformidade, precocidade e outras características favoráveis necessárias mais para baixo na cadeia de mercado, tais como firmeza, vida útil e sabor. Eles também trazem resistência melhorada para pragas e doenças, o que significa que menos pesticidas têm de ser utilizados e terras agrícolas disponíveis podem ser utilizados de forma mais eficaz. Em geral, os vegetais são os meios mais eficientes para combater as deficiências de micronutrientes e oferecer aos pequenos agricultores boas oportunidades para iniciar um negócio.

Rijk Zwaan Afrisem

As novas variedades de berinjela foram desenvolvidas pela Rijk Zwaan Afrisem, uma estação de reprodução em Arusha, Tanzânia, onde Rijk Zwaan começou a procriar em 2008. A estação de criação Afrisem também se concentra no desenvolvimento de híbridos para outras culturas hortícolas africanas, como a couve africana, chinense Pimenta e 'tomate determinado'. Além de produzir culturas locais africanas, Rijk Zwaan também usa sua estação de criação na Tanzânia para avaliar sua variedade internacional em termos de sua adequação para o cultivo na África tropical.

Abordagem a longo prazo

"Em termos de investimentos em P & D e padrões de qualidade, temos a mesma abordagem que em outras partes do mundo", diz o Gerente de Negócios Rijk Zwaan, Edwin van der Klugt. "O foco nos híbridos envolve sérios investimentos dos produtores, mas as resistências, o maior rendimento e a melhor qualidade do fruto tornarão relativamente fácil para eles recuperar esses investimentos".

Para obter os melhores resultados de suas sementes híbridas de alta qualidade, os produtores terão de combiná-las com as técnicas de cultivo adequadas, adaptadas às circunstâncias locais. É por isso que Rijk Zwaan tem uma estação de demonstração em Arusha e está criando uma equipe de consultores de culturas e especialistas em desenvolvimento de produtos, especialmente para o Leste e África Ocidental. "Muitas de nossas atividades estão agora centradas em torno de nossa estação na Tanzânia: a partir deste" mercado de teste "queremos obter um efeito de ondulação. Acreditamos firmemente que uma abordagem a longo prazo permitirá que os pequenos agricultores desempenhem um papel fundamental na construção de um abastecimento sustentável de alimentos na África para as populações crescentes e em rápida urbanização do continente ".

Parcerias público-privadas

Van der Klugt emphasises that it will not be possible for Rijk Zwaan alone to reach all farmers in Africa. “We need scale and local expertise. That’s why we actively seek collaboration with government bodies and local growers’ associations. Through public-private partnerships such as Amsterdam Initiative against Malnutrition (AIM) and Seeds of Expertise for the Vegetable Industry in Africa (SEVIA) we share our knowledge and expertise in long-term projects. Together with our partners, our goal is to transform subsistence farming in Africa into a market-oriented production system.” 

Van der Klugt enfatiza que não será possível apenas para Rijk Zwaan alcançar todos os agricultores na África. "Precisamos de escala e conhecimento local. É por isso que buscamos ativamente a colaboração com órgãos governamentais e associações de produtores locais. Através de parcerias público-privadas, tais como a Iniciativa de Amesterdão contra a Desnutrição (AIM) e Sementes de Especialização para a Indústria de Hortaliças na África (SEVIA), compartilhamos nossos conhecimentos e experiência em projetos de longo prazo. Juntamente com os nossos parceiros, o nosso objetivo é transformar a agricultura de subsistência em África num sistema de produção orientado para o mercado ".

Testado com sucesso

As primeiras variedades africanas de berinjela da Rijk Zwaan são Kazinga RZ, Kerio RZ e Limpopo RZ, que são nomeados após rios africanos para simbolizar a força vital do continente. As variedades foram testadas com sucesso nos últimos dois anos, enquanto a empresa preparada para a produção em grande escala. Na semana passada, as três variedades foram apresentadas aos agricultores durante o dia de campo de Rijk Zwaan. No mesmo evento, os visitantes puderam ver o primeiro híbrido de tomate comercial determinado da Afrisem, bem como um número de variedades promissoras de pimenta chinense.